segunda-feira, 15 de maio de 2017

Mageia 6 sta2 KDE - Instalação e configuração

Mageia 6 sta2 atualizado até 14 Mai. 2017
Mageia 6 Cauldron sta2 KDE, atualizado até 14 Mai. 2017

Este é o relato da 3ª instalação do Mageia 6 Cauldron sta2 KDE, — mas as outras (na véspera) serão citadas apenas quando necessário, para não criar uma novela intrincada e interminável.

••• Detalhes dessa confusão em “Cronologia” (no final) •••

xx

Índice


  • Download ISO, sha512sum & K3b
  • Live DVD
  • Instalação - 1ª parte
  • Instalação - 2ª parte
  • Configuração durante o 1º Boot
  • Repositórios
  • Swap
  • Conky
  • Montagem automática de partições adicionais
  • Área de trabalho
  • Login automático
  • Fontes Verdana
  • Relato atrasado (15 Mai. 2017)
  • Critérios pessoais
  • Particionamento geral (Menu)
  • Cronologia
  • Não-debians (Menu)

Download ISO, sha512sum & K3b


Download da imagem ISO do Mageia 6 sta2 KDE por BitTorrent

A imagem ISO do Mageia 6 Cauldron sta2 KDE foi obtida por Torrent, a partir do site oficial.

Verificação sha512sum da imagem ISO do Mageia 6 sta2 KDE

A verificação da imagem ISO foi feita pelo sha512sum.

Verificação MD5 pelo K3b, para “queimar” o Live DVD do Mageia 6 sta2 KDE

A imagem ISO foi “queimada” em DVD, — embora Live DVD seja uma alternativa mais “pobre” do que Live USB (Pendrive), — porque desejava preservar esta versão sta2, depois que for substituída pelo lançamento oficial, no site do Mageia.

Depois de 1 mês com o Mageia 5 instalado no HDD, não sentia mais nenhuma necessidade de fazer “teste Live USB” do Mageia 6. — A sessão seria usada apenas para documentar o processo de instalação, em Capturas de tela. E para isso, Live DVD é suficiente.

Live DVD


Opções iniciais do Live DVD Mageia, — Boot ou Install

Ao inicializar o computador pelo Live DVD do Mageia 6 Cauldron sta2, são apresentadas as opções de carregar uma sessão Live (Boot), para experimentar, — ou carregar logo o Instalador (Install).

Também é possível abrir um resumo da Ajuda (F1), escolher o Idioma (F2), Resolução (F3), Repositório (F4), Drivers (F5), Kernel (F6). — Essas outras opções não foram alteradas.

Seleção do Idioma, para traduzir a tela inicial Live DVD do Mageia 6 Cauldron

Foi selecionado “Português (Brasil)”, para carregar uma sessão Live e documentar a instalação. — Mas a escolha do Idioma, nesse ponto, serve apenas para traduzir essa própria tela inicial.

Ao optar pela sessão Live, a escolha do Idioma será oferecida de novo, — bem como as do Teclado, Fuso horário, hora UTC vs. hora local no Relógio do sistema.

Enfim, você deve aceitar os Termos da Licença, — não usar o Mageia para ajudar algum país do “eixo do mal”, quem sabe. — Não li.

Menu de Boas-vindas à sessão Live do Mageia 6 Cauldron KDE

O diálogo de Boas-vindas reúne os principais recursos de ajuda e orientação ao novo usuário do Mageia 6 Cauldron, — e pode ser encontrado de novo, a qualquer momento, em “Menu K → Ferramentas → Boas-vindas”.

Criando pasta virtual “/home/live/PrintScreen”, para salvar as Capturas de tela fora do HDD

A primeira providência foi criar uma pasta “PrintScreen”, — na “/home/live” (virtual!) da sessão Live, — para gravar as Capturas de tela.

A intenção era evitar a montagem da partição “XTudo” (sdb8), — onde costumo centralizar as Capturas de tela, mesmo em sessões Live DVD / USB, — pois, no caso do Mageia, a experiência da 1ª e da 2ª instalação já tinha mostrado que isso não ia dar muito certo.

Esta solução é um tanto arriscada, caso você esqueça de mover todas as Capturas para um Pendrive ou HDD, antes de encerrar a sessão Live, — pois a pasta “/home” da sessão Live é volátil; — existe apenas na Memória RAM, e vai para o espaço ao reiniciar o computador.

Provavelmente, a melhor solução seria gravar as Capturas de tela em Pendrive. — Mas o importante, era não montar nenhuma partição, — mesmo que de outro HDD (sdb), diferente do HDD de destino da instalação (sda).

Uso do nome-de-arquivo para documentação cronológica em fotos de celular e Capturas de tela

Os passos seguintes, no KDE Spectacle, foram:

  • Em “Localização”, usar “/home/live/PrintScreen” como destino; e
  • Em “Nome de arquivo”, eliminar a string “Screenshot_” e alterar o restante para o formato “%Y-%M-%D_%H-%m-%_XXX”, — o mesmo adotado ao baixar as fotos de celular. — Desse modo, fotos e Capturas de tela se alinham cronologicamente, facilitando o levantamento de tudo que foi documentado em imagens.

O “_XXX” no final do nome deve permitir a identificação do que é foto de celular (NL = Nokia Lumia), ou Captura de tela do Knoppix, Live Mageia, Mageia do HDD (1ª, 2ª, 3ª instalação) etc.

Dolphin, Wallpaper e teste de Captura de tela

Em seguida:

  • Personalizar o Dolphin
  • Aplicar um Papel de parede
  • Configurar Clique-único no Mouse
  • Registrar qual Compositor a sessão Live escolheu (OpenGL 2.0)
  • Inverter os atalhos Print (capturar e salvar) e Shift-Print (abrir o Spectacle, delay 7’’)
  • Registrar as versões do KDE, Frameworks, Qt e Kernel, pelo KInfocenter

Instalação - 1ª parte


Opção de controlar manualmente a escolha das partições para instalação do Mageia

A 3ª instalação foi feita em 20 minutos, — das 18:29 às 18:49, — com várias pausas e zigue-zagues, para documentar também algumas opções não-utilizadas.

No entanto, as Capturas de tela disponíveis cobrem apenas os primeiros 6 minutos, — das 18:29 às 18:35, — por motivos que serão abordados adiante.

18:29 - Instalador

18:30 - Instalador exibe as partições encontradas nos HDDs

18:31 - Opção “Personalizar particionamento”

Seleção do ponto de montagem de sda2 (partição-raiz)

18:31 - Atribuir o ponto de montagem Raiz do sistema (“/”) à partição sda2.

Opção de formatar a partição-raiz (sda2)

18:32 - Formatar a partição onde o sistema será instalado (sda2)

Escolha da partição “/home” (sda6)

18:32 - Atribuir o ponto de montagem “/home” à partição sda6

Resumo das partições Raiz e Home

18:33 - Resumo da partição Raiz (Formatar)
18:33 - Resumo da partição /home

Resumo das partições que serão formatadas (ou não); e opção de verificar blocos defeituosos

18:33 - Resumo das partições a serem formatadas ou não
18:33 - Avançado - Verificar blocos defeituosos (disponível só para as que serão formatadas)

Opção de remover pacotes desnecessários, — e a lista para exame, em Avançado

18:34 - Verificando pacotes desnecessários
18:34 - Opção de remover pacotes desnecessários
18:34 - Lista dos pacotes desnecessários
18:35 - Instalador removendo pacotes desnecessários (última Captura disponível)

A instalação prosseguiu por mais 14 minutos, até 18:49, — porém não existem capturas daí em diante. — Ou falhou KDE Spectacle (desmonte inesperado de /home/live/PrintScreen), ou falhei em movê-las para o HDD, no final.

18:49 - Anotação no “Caderno de informática”: — « Ao finalizar a instalação, fica “sem memória virtual” [sic]. No painel esquerdo do Dolphin, desapareceram todas as partições ».

Infelizmente, esta última situação não foi fotografada, — provavelmente, confiei no KDE Spectacle, sem perceber que devia estar fora de combate.

Não existe anotação de que tenha movido as últimas Capturas para o HDD, — cujas partições já podem ser montadas sem problema, após finalizar a instalação. — Fazer isso e anotar tem sido uma rotina, mas posso ter esquecido desta vez.

É possível que o choque, — de ver todas as partições desaparecerem do painel lateral do Dolphin, — tenha acabado por fritar os últimos neurônios.

Instalação - 2ª parte


Seleção do Gerenciador de inicialização a ser instalado com o Mageia 6

Havia feito outras 2 instalações do Mageia 6, na véspera (19 Mar.), — a 1ª, na partição errada; — a 2ª, escangalhada por burrice, ao realizar (ou abortar?) uma atualização incoerente, devido a falhas de repositório (mirror).

••• Detalhes dessa confusão em “Cronologia” (no final) •••

Mas, nas 2 instalações anteriores, a Captura de tela funcionou até o final, — ou foi logo restabelecida, recomeçando a instalação desde o princípio, — e isso permite documentar o restante do processo.

Essas 2 instalações anteriores foram um pouco mais demoradas, — o tempo veio diminuindo, à medida em que me familiarizava com o processo, — porém todas levaram quase o mesmo tempo na 2ª parte, que exige pouca intervenção humana:

  • 1ª instalação - 27 minutos — 2ª parte - 15 minutos
  • 2ª instalação - 22 minutos — 2ª parte - 15 minutos
  • 3ª instalação - 20 minutos — 2ª parte - 14 minutos

Sistemas listados por ordem alfabética, para escolher qual será carregado por padrão, no Grub do Mageia

Portanto, as Capturas anteriores têm outra data e outros horários, — mas ilustram bem o restante da instalação, — basicamente, opções de inicialização:

  • Slide-show modesto (menos de 8 minutos)
  • Escolha do Gerenciador de inicialização
  • Escolha do sistema-padrão, a ser carregado automaticamente
  • Escolha do tempo de espera, antes de carregar automaticamento sistema-padrão
  • Modo de vídeo do Menu de inicialização
  • Opções APIC, SMP, ACPI etc.
  • Reiniciar o computador

Essas tempos de instalação, naturalmente, são relativos à situação específica:

  • Instalação gráfica a partir de Live DVD
  • HDD antigo (320 GB), com taxa de transferência inferior à dos mais novos
  • Conexão “10 Megas” (máx. 1,3 MiB/s)
  • 22 partições (exceto Swap), com outros 10 sistemas a examinar

Configurações durante o 1º Boot


Menu de inicialização gerado pelo Mageia 6 instalado em sda2, — incluindo a instalação anterior em sda1

Após o aviso de Reinicializar o computador, a configuração inicial do Mageia ainda depende de mais alguns passos, solicitados quando for carregado pela primeira vez, — antes de chegar ao Login:

  • Download de vários índices “synthesis-hdlist.cz”, com datas do dia (20170320), e também antigas (20150703)
  • Configuração de Rede e Internet, — requisito para o download
  • Criar senha de Administrador
  • Adicionar usuário, — com opções de Grupos, Permissões etc.

Configuração manual de Rede e Internet, pedida apenas no 1º Boot da 2ª instalação

Observando que:

  • No 1º Boot da 1ª instalação, o download foi imediato, — sem necessidade de configuração manual de Rede e Internet
  • No 1º Boot da 2ª instalação, foi solicitada configuração de Rede e Interned, — requisito para poder iniciar o download
  • No 1º Boot da 3ª instalação, o download foi imediato, — sem necessidade de configuração manual de Rede e Internet

Portanto, só no caso da 2ª instalação foi necessária configuração manual de Rede e Internet; — nas outras 2 isto se resolveu automaticamente.

Criar senha de Administrador (Root), adicionar Usuário, e opções avançadas para Usuário

Optei por criar Usuário (2ª senha), sem alterar mais nada, até me familiarizar com o funcionamento do Mageia. — Por enquanto, lembra o do Debian, onde também criei Usuário (2ª senha).

Repositórios


Erro após download de “synthesis”: — Não é possível adicionar mídia

No caso da 3ª instalação, o download inicial terminou com uma mensagem de erro, — “a busca falhou: aria2 falhou: código de erro 3”, — mas tratava-se de “alvos” não-encontrados, e não de falha local de conexão.

De fato, aria2 é um utilitário de download; e o “código de erro 3” indica “recurso não encontrado”.

As falhas se referiam a:

  • Core Release
  • Core Release Debug
  • Core 32bit Release

Nesta sessão inicial, falharam tentativas de encontrar Conky, Chromium, LibreOffice para instalar.

Tentando forçar a substituição do repositório (qual?) defeituoso

Por volta das 19:45 estava empenhado numa batalha para corrigir o problema, — basicamente, pelo método de remover todos os Repositórios, — em seguida Adicionar.

  • Centro de Controle → Configurar Mídias → [CTRL-A] → Remover → Adicionar

Então, o Centro de Controle contacta o site Mageia para obter a lista de servidores, — “synthesis-hdlist.cz” (de 20150605 e daquele dia, 20170320), — mas, novamente, não conseguiu obter Core Release + Debug + 32bit. — Apenas, desta vez também especificou “distrib1”, “distrib2” e “distrib31”, respectivamente.

Essa numeração também é indicada na configuração dos Repositórios.

Adicionando “espelho específico”, — e testando

Para sair deste círculo vicioso o caminho foi:

  • Centro de Controle → Configurar Mídias → Arquivo → Adicionar espelho específico

Naquela hora (20 Março, 20:05), a UnB e a UFPR ofereciam apenas http, — o que talvez fosse indício de algo errado, pois hoje (16 Maio) ambas oferecem ftp e http.

Sem conhecer qualquer método mais racional, fui por tentativa-e-erro:

  • 20:05 - UnB - http - Erro 22 - cabeçalho de http errado ou inesperado
  • 20:13 - RpmFind, FR - ftp - Ok (instalei Conky), mas velocidade ruim (6 min. synthesis)
  • 20:21 - UFPR - ftp - Erro 19 - resolução de nomes falhou
  • 20:26 - UFPR - http - Erro 22
  • 20:32 - UnB - http - Erro 22
  • 20:47 - Tuxinator, DE - ftp - Ok (200+ pacotes), mas velocidade ruim (14 min. synthesis)
  • KRename, Gnome-screenshot, Chromium, Konqueror, Kim4, Tesseract, OCRFeeder, Kompare, Aspell, Filezilla, Dolphin-plugins, Kfind, Diffuse, Kdiff3, Fuseiso, Krusader, Inkscape, Kstars, Stellarium, Kate, Wine, Wine-gecko, Playonlinux
  • 22:08 - Princeton - Velocidade bem melhor (759 updates em 4 minutos)

18 Mai. 2017 - Examinando agora o Mageia mirrors database, o Mirrors map e o Mirrors status, verifico que a UFPR e Princeton estão entre os 10 espelhos mais rápidos (10Gbits), enquanto a UnB, aqui ao lado, é de apenas 100Mbits.

Mirror de Princeton com problemas de 23 a 25 Jun. 2017

25 Jun. 2017 - Mirror de Princeton (US) fora de combate desde o dia 23. — Finalmente alterei para UFPR.

É necessário “Remover” todas as “fontes”, antes de Adicionar espelho específico

Lembrando que não basta “Adicionar espelho específico”, — tentei isso no dia 23, e continuou dando erro. — É necessário, antes, “Remover” todos os Repositórios pré-existentes.

Swap


Desabilitando o excesso de Swap no arquivo /etc/fstab

Como durante a instalação não foi encontrado (nem procurado) um modo de escolher (ou desabilitar) partições Swap, o Mageia 6 Cauldron sta2 acabou montando todas, no total 36,7 GiB.

Para corrigir, bastou abrir o arquivo /etc/fstab e desabilitar todas as linhas referentes a Swap, — com exceção de Swap2 (sda11).

Desabilitando o excesso de Swap e reabilitando apenas o Swap correto

Mais tarde, foram desabilitadas todas as partições Swap, pelo comando “swapoff -a”, — que desabilita todas as Swap de /proc/swaps.

Em seguida, foi disparado o comando “swapon -a”, — que ativa todas as partições Swap habilitadas no arquivo /etc/fstab.

O efeito foi percebido de imediato pelo Conky, — e alguns segundos depois, pelo KSysguard.

Conky


Correção dos caminhos (path) no ~/.conkyrc para o padrão de pontos de montagem do Mageia 6 Cauldron

Até aí, estavam montadas pelo /etc/fstab apenas as partições do próprio Mageia, — por isso, o Conky exibia apenas a taxa de ocupação das partições Raiz e Home.

O arquivo de configuração ~/.conkyrc já estava na Home2, — herdada do Mageia 5, — mas ainda precisava receber algumas adaptações.

No Mageia 5, eu havia imposto um padrão diferente de pontos de montagem, — mas no Mageia 6 pretendia seguir o padrão do sistema.

22:58 - Editado o arquivo (oculto) /home/flavio/.conkyrc, — para adequar os caminhos (path) ao padrão de pontos de montagem do Mageia.

Com isso, o Conky passou a exibir a taxa de ocupação das partições XTudo e Armazem1, — que tinham sido montadas manualmente, clicando no Dolphin (mediante senha), para uso corrente.

Montagem automática de partições adicionais


Cópia do arquivo /etc/polkit-1/rules.d/99-udisks2.rules do Sabayon para o Mageia, no Krusader as root

Já havia constatado, no Mageia 5, que as Configurações do sistema (KDE) não eram suficientes para realizar a montagem automática de partições adicionais.

Por isso, ao configurar o Mageia 6, a primeira providência foi trazer do Sabayon uma cópia do arquivo “/etc/polkit-1/rules.d/99-udisks2.rules”, que autoriza a montagem automática pelo udisks2.

Montagem automática de partições adicionais pelo KDE → System settings → Removable devices

Só então, foram marcadas as partições que deveriam ser montadas automaticamente, — no início de cada sessão do Mageia 6 Cauldron sta2, — pelas Configurações do sistema:

Menu K → System settings → Hardware → Removable devices

Mageia 6 sta2 carregado com todas as partições adicionais montadas

Depois disso, bastou reiniciar o computador, para o Mageia 6 sta2 KDE carregar com todas as partições automaticamente montadas no início da sessão.

Talvez bastasse Encerrar (Logout / Login), — mas a emoção não seria a mesma, — nem o Conky registraria um uptime novinho em folha.

Área de trabalho


Área de trabalho ao completar o Boot / Login inaugural na 1ª instalação do Mageia 6, em sda1 (Linux1)

Uma vez que a partição /home (Home2) permaneceu sempre a mesma, — desde o Mageia 5, — as configurações foram mantidas, e em alguns casos basta instalar os respectivos programas (Conky, por exemplo).

Tem sido comum, atalhos-de-teclado personalizados do LibreOffice ou do Gimp serem “herdados”, de uma instalação para outra, durante anos, — no Kubuntu, no Linux Mint etc.

No entanto, mudanças de versão desabilitam várias configurações, — provavelmente, para evitar possíveis incompatibilidades.

19 Março, 12:38 - Uma vez completada a configuração inicial, — conexão de rede, criar senha de Administrador, criar Usuário (Boot inaugural), — foi feito o Login na 1ª instalação (sda1) do Mageia 6.

  • Testada a Captura de tela (gravando em /home/flavio/PrintScreen)
  • Aplicado Papel de parede herdado do Mageia 5

Área de trabalho ao completar o Boot / Login inaugural na 2ª instalação do Mageia 6, em sda2 (Linux2)

19 Março, 15:21 - Uma vez completada a configuração inicial, — conexão de rede, criar senha de Administrador, criar Usuário (Boot inaugural), — foi feito o Login na 2ª instalação (sda2) do Mageia 6.

  • Já carregou com o Papel de parede aplicado na 1ª instalação do Mageia 6
  • Já carregou com o Relógio do Painel configurado na 1ª instalação (data longa)
  • Foram, então, deletados os 3 ícones-atalhos da Área de trabalho

Aplicação de Maia transparent e Transparent-oxygen, logado na 2ª instalação (sda2) do Mageia

Ainda logado na 2ª instalação, foram feitas mais algumas configurações na Área de trabalho, como a aplicação do tema Maia transparent e decoração de janelas Transparent-oxygen.

Com toda certeza, foi aplicada a configuração “Restaurar sessão salva manualmente”, — caso já não estivesse aplicada desde a 1ª instalação, — e em seguida acionado o comando “Salvar sessão”, com o KSysguard e o Dolphin abertos (e a partição XTudo montada).

Área de trabalho ao completar o Boot / Login inaugural na 3ª instalação do Mageia 6, em sda2 (Linux2)

20 Março, 19:05 - Uma vez completada a configuração inicial, — conexão de rede, criar senha de Administrador, criar Usuário (Boot inaugural), — foi feito o Login na 3ª instalação (sda2) do Mageia 6.

  • Já carregou com o Papel de parede aplicado na 1ª instalação do Mageia 6
  • Já carregou com o Relógio do Painel configurado na 1ª instalação (data longa)
  • Já carregou com tema Maia transparent e decoração de janelas Transparent-oxygen
  • Já carregou com KSysguard e Dolphin abertos
  • Já carregou tentando montar partições montadas antes, manualmente, pelo Dolphin

Portanto, várias configurações feitas na 1ª instalação do Mageia 6 passaram automaticamente para a 2ª instalação, — e as configurações acumuladas da 2ª passaram para a 3ª instalação, — uma vez que todas usaram a mesma partição “Home2” (sda6), e houve o cuidado de não formatá-la.

É provável que algumas configurações menos óbvias tenham vindo desde o Mageia 5, — que também usava a mesma partição “Home2”, — mas é difícil ter certeza, pois algumas poderiam, igualmente, ter vindo da última sessão Live de instalação (20 Março), cuja “/home/live” está presente no computador, ao lado da “/home/flavio” em vigor.

Não sei até que ponto algumas coisas da sessão Live podem ser automaticamente copiadas para a Home (pré-existente) do Usuário. — Essa é uma questão que às vezes pareceu ocorrer, em algumas distros, mas nunca pude ter certeza, — nem identificar exatamente quais coisas.

Login automático


Configurações do sistema → SDDM → Login automático, sem efeito no Mageia 6

Por quase 2 meses, o Mageia 6 Cauldron sta2 KDE resistiu a fazer o Login automático, — apesar da tentativa feita nas Configurações do sistema:

  • Menu K → Tools → System settings → Start & shutdown → SDDM

Configurando Login automático no Centro de Controle do Mageia 6

O que realmente acabou funcionando, foi configurar a mesma coisa no Centro de Controle do Mageia → Inicialização → Habilitar login automático.

Fontes Verdana


Legibilidade com fontes Verdana (esq.), e sem fontes Verdana (dir.)

Após 20 anos de Internet, ainda não encontrei outra Fonte de letra que se compare a Verdana, em “economia” e legibilidade na tela, — tal como, ao longo do século XX, nenhuma outra Fonte conseguiu bater a Times New Roman em economia e legibilidade, no jornal impresso.

Mas bastaram 3 dias (15~17 Maio) de trabalho intensivo no Mageia 6 Cauldron sta2 KDE, para comprovar que a filosofia de “aprender e configurar com calma” tem seus limites.

Se no universo Mageia não existe (ou ainda não encontrei) um pacote ttf-mscorefonts-installer, — caminho usual, — existem atalhos.

Instalação de fontes de letra no Mageia a partir do Wine em outro sistema Linux

Todos os sistemas Linux que conheço, — do “ponto de vista KDE”, — oferecem um caminho simples e fácil para incorporar Fontes de letra existentes nos HDDs:

K → System settings → Fonts → Add fonts

Embora já tenha instalado o Wine no Mageia 6 Cauldron sta2 KDE (Home2), ainda não me aprofundei na configuração. — Sua pasta “/home/flavio/.wine/drive_c/windows/Fonts/” ainda está vazia.

Mas o Wine também está no Debian (Home3), no Kubuntu LTS (Home4), no openSUSE (Home5), no Fedora (Home6), no Linux Mint (Home7), no Manjaro (Home8) e no Zesty Zapus (Home9), — bastava escolher.

Relato atrasado (15 Mai. 2017)


Recuperando informações de fotos e Capturas de tela da instalação do Mageia 6, desde Março 2017

O Mageia 6 sta2 KDE vem se mostrando 1 das 2 distribuições “não-debian” mais “usáveis”, de um ponto de vista bastante pessoal, — usuário médio, leigo em Linux, com um conjunto específico de usos. — A outra é o openSUSE KDE.

No entanto, já se vão completar 2 meses, desde a instalação do Mageia 6 sta2, — acumulando mais de 970 fotos e Capturas de tela, bem como inúmeras anotações espalhadas pelo caderno, — e a demora em iniciar este relato ameaça tornar difícil levantar os dados dessa experiência, à medida em que detalhes vão caindo no esquecimento.

Critérios pessoais


Quadro comparativo dos sistemas Linux instalados, até 01:00 de 14 Mai. 2017 (UTC-03:00)

A “usabilidade” resumida no Quadro comparativo, — desse ponto de vista estritamente pessoal, — liga-se ao conjunto de tarefas do dia-a-dia, cada uma com “peso” e “frequência” bastante diferenciados.

GoogleEarth e Wine, por exemplo, são absolutamente indispensáveis, — desde quando o Wintows foi deletado em definitivo, há cerca de 1 ano, — porém não são usados todos os dias. Quando necessário, justifica-se reiniciar o computador e carregar o Kubuntu LTS, o Linux Mint 18 KDE, ou mesmo o KDE Neon User Edition.

O mesmo já não acontece com as Páginas (não só Feed, Perfis, Grupos) do Facebook, — acessadas inúmeras vezes, quase todos os dias, ao lado de outras redes sociais, WhatsChrome etc., — o que torna impraticável tentar usar Sabayon, Antergos, Zesty Zapus, Manjaro, Fedora ou Debian, onde essa navegação dispara um surto permanente de sobrecarga da CPU, deixando o sistema devagar-quase-travando.

Tanto o Mageia KDE quanto o openSUSE KDE apresentam o incômodo de não reproduzirem bem a maioria dos vídeos na web (*), — é chato, mas raramente indispensável (isso até ajuda a focar no essencial), — e até fico imaginando se essa falha é o que salva a navegação em Páginas (não só Feed, Perfis, Grupos) do Facebook. Superstição de leigo, decerto. Solucionar isso não é prioridade.

(*) Vídeos locais 3gp, flv, avi, mp4 são reproduzidos sem qualquer problema.

Mageia Cauldron 6 sta2 segue funcional e produtivo, após 3 meses

10 Jun. 2017 - Foram eliminadas algumas distros instaladas ao longo do último ano, — Fedora, Manjaro, Antergos, Sabayon, — por não apresentarem boas perspectivas de “usabilidade”, de um ponto de vista estritamente pessoal.

O Mageia Cauldron 6 sta2 KDE foi mantido, — por ser uma das distros que continuam com boas perspectivas de “usabilidade”, desse ponto de vista pessoal.

Até hoje, versões Beta, daily-builds, rolling-releases não foram problema, necessariamente. — Algumas, têm se mostrado ótimos “ambientes de produção”.

Particionamento geral


Particionamento geral dos HDDs / SSD no início de Março 2017

A estrutura do Mageia em Linux2 / Home2 / Swap2 segue o particionamento geral reorganizado na virada do ano, — segundo um arranjo modular, para que até 12 sistemas possam ser instalados, lado a lado (em dualboot ou multi-boot), e qualquer um possa ser substituído a qualquer momento, — sem interferência mútua ou dependência entre eles (como seria o caso em VM).

Daí, porque o erro de instalar o Mageia 6 em Linux1 — usando Home2 e Swap2, — merecia correção imediata.

Depois de tanto trabalho, não faria sentido “deixar ficar” aquele “pequeno erro”, — e reinstalar o KDE Neon em Linux2 / Home1 / Swap1.

Histórico do particionamento



Cronologia


Mageia 5, com KDE 4

Meu primeiro contato foi com o Mageia 5 KDE, no final de Março 2016, — quando tratei de abusar o máximo possível, — num simples “teste de trabalho em Live USB”.

Quase um ano depois, foi instalado o Mageia 5 KDE, — e funcionou muito bem, — mas, para quem se acostuma com o KDE 5, é um desgosto voltar ao KDE 4, ao velho KSnapshot (que exige vários cliques para cada Captura de tela), ou àquele KInfocenter malero, bochudo, cabeça-de-papagaio, zambeta, feeei pa peste.

  • Para registro: — A 1ª instalação do Mageia 5 (14 Fev.) apresentou algum erro, e foi necessário reinstalar no dia seguinte (15 Fev.). — Fica para exame no final.

Inconformado, acabei descobrindo a versão sta2 do futuro Mageia 6, e resolvi substituir, — por impaciência de esperar RC1, RC2 e lançamento.

Caminho inusitado para selecionar partições, — e cuidados para evitar erro

1ª instalação Mageia 6 - Uma tentativa inicial resultou em mensagem de erro e foi abortada.

Reiniciado o Instalador (na mesma sessão Live), foi usado um caminho diferente para seleção das partições, — um diálogo onde se apresentam todas de uma vez (o que parece facilitar), — porém não sei como cheguei lá (não há registro do caminho seguido), — e tampouco voltei a encontrá-lo, mais tarde, na 2ª ou na 3ª instalação (também não procurei).

Foi aí que tropecei numa burrice monumental, — mandei instalar em sda1 (KDE Neon), em vez de em sda2, que era a partição do antigo Mageia 5.

Para mostrar que “prudência não faz mal a ninguém”, ainda conferi a Tabela de Particionamento, — e até anotei no caderno, “para não ter erro”. — Só faltou digitar certo, no lugar certo.

RIP a antiga instalação do saudoso KDE Neon (sda1), que funcionava maravilhosamente bem, desde 1º Jun. 2016.

Esperando acabar de carregar o Mageia 6 KDE, instalado na partição certa (sda2)

2ª instalação Mageia 6 - No mesmo dia (19 Mar.), foi feita nova instalação, — dessa vez na partição correta (sda2), — porém acabei cometendo alguma burrice, ao enfrentar uma atualização incoerente, por falha de repositório (mirror), logo na primeira sessão instalado.

Daí por diante, a 2ª instalação nunca mais completou o carregamento do KDE, em outros Boot.

Epa, pera, que negócio é esse

Tentava, tornava a tentar, ia capinar o quintal, passear com o cachorro, tomar banho, — muita hora nessa paciência, — e nada de acabar de carregar o Mageia 6 KDE.

Ao tentar todos os recursos imagináveis, — Recovery mode, mandinga, Alt-F2, reza-braba, — o Left-Win acabou por abrir um Menu drop-down no canto superior esquerdo.

Sim!, — havia um “Painel” escuro, ali no alto, — sem nenhum ícone.

Faltava a opção de sessão Plasma, — só havia IceWM

De fato, na tela de Login existia apenas a opção “IceWM Session”, — e é claro que, desse modo, ia demorar muito para carregar o KDE. — Simplesmente não havia opção de sessão Plasma.

Partição sda1 não pôde ser copiada e colada em sda2, que parece ser menor

3ª instalação Mageia 6 - No dia seguinte (20 Mar.), foi tentado copiar a partição sda1, — cujo Mageia 6 Cauldron (1ª instalação) funcionava sem problemas, — para sda2, usando o GParted em Live Knoppix.

No entanto, o GParted habilitou apenas copiar sda1, — mas não, colar em sda2.

O exame posterior das Capturas de tela mostra que sda1 tem 1.000 setores a mais, — o que explica essa impossibilidade. Mas deixa outro mistério, — afinal, ambas têm exatos 25,0 GiB (ou deviam ter).

A solução foi fazer a 3ª instalação do Mageia 6 Cauldron (sda2), — cujo Login voltou a oferecer “Plasma” (além de IceWM), — e que funciona muito bem, até hoje.

Resumo - As Capturas de tela e anotações em Caderno referem-se às datas:

31 Mar. 2016 - 1º Teste de trabalho em Live USB

1-2 Abr. 2016 - 2º Teste de trabalho em Live USB

14 Fev. 2017 - Mageia 5 - 1ª instalação

15 Fev. 2017 - Mageia 5 - 2ª instalação

19 Mar. 2017 - Mageia 6 sta2 - 1ª instalação (27 minutos) - deletou KDE Neon (sda1)

19 Mar. 2017 - Mageia 6 sta2 - 2ª instalação (22 minutos) - Escangalhada (sda2)

20 Mar. 2017 - Mageia 6 sta2 - 3ª instalação (20 minutos) - Atual (sda2)

Com isso, o KDE Neon pôde ser reinstalado em sda1, — mantendo a organização Linux1 / Home1 / Swap1, dentro da ordem planejada.

Reinstalar o KDE Neon apresentou problemas para várias semanas, — e tinha prioridade muito maior, — o que levou a dar pouca atenção ao Mageia 6, nos primeiros tempos.

Mesmo sem o desastre do KDE Neon, o momento já não era muito propício, — o Linux Mint também andou capenga durante várias semanas, desde o upgrade de 18 para 18.1, — e corrigi-lo era prioridade muito maior.

Afinal, Mint e Kubuntu são os 2 sistemas “indispensáveis”, — nos quais consigo realizar todas as tarefas, — e o KDE Neon era o 3º mais “produtivo”.

Obs.: - Por questão de prioridades, este levantamento começou pelas “descobertas” mais importantes de preservar, — em geral, naquilo onde o Mageia se diferencia do Debian / Kubuntu / Mint / Neon, — e mais tarde poderão ser interpoladas outras observações, a longo da ordem cronológica.

••• “Mageia B” - Dois meses mais tarde (20 Maio), — após completar o relato acima, — foi feita outra experiência, usando outra partição (Linux12, em sdd3).

20 Mai. 2017 - Mageia 6 sta2 - Instalador Clássico (sdd3)

O objetivo era verificar eventuais diferenças, usando outra imagem ISO, — a “Instalação Clássica” (sem sessão Live), onde são oferecidas opções como:

  • Adicionar “mídia” Nonfree
  • Escolher KDE, ou Gnome, — ou “Personalizar”

Essa experiência não atendeu às vagas expectativas que alimentava, — enfrentar melhor as “Páginas” do Facebook, — embora tenha resultado em um Mageia diferente do outro, em alguns detalhes.

Por enquanto, esse “Mageia B” permanece lá, na partição “Linux12” da unidade SSD externa, — que não fica plugada a maior parte do tempo, — e poderá ser melhor explorado no futuro, ou substituído por outra distro Linux.

O principal “fruto” dessa nova experiência foi me interessar pelo Grub controlado pelo Mageia.

Fiz algumas experiências com o Grub do “Mageia B”, — e depois, alterei o Grub do “Mageia A”, que passou a ser usado, como alternativa ao Grub controlado pelo openSUSE:

  • MBR de sda - Grub controlado pelo Mageia
  • MBR de sdb - Grub controlado pelo … (?)
  • MBR de sdc - Grub controlado pelo openSUSE
  • MBR de sdd - Grub controlado pelo “Mageia B” (para experiências)

Nenhum dos 2 consegue gerar uma entrada correta para carregar o Manjaro, — é sempre necessário fazer uma correção manual no arquivo /boot/grub2/grub.cfg.

Por motivos alheios (e ainda não decifrados), as entradas para carregar o KDE Neon também precisam ser manualmente corrigidas, para usar “nomodeset”.

A boa notícia é que o Grub gerado pelo Mageia consegue carregar o openSUSE, — coisa que, até onde me lembre, o Grub gerado pelo KDE Neon ou pelo Linux Mint não consegue (a conferir).

Desde então, uso normalmente o Grub gerado pelo Mageia, — com a última seleção mantida por padrão, para carregar automaticamente em 10 segundos, salvo gesto em contrário, — pois é comum passar vários dias usando apenas Linux Mint, ou apenas Kubuntu 16.04 LTS, ou apenas openSUSE etc.

Esta opção de carregar por padrão a última distro Linux, selecionada anteriormente, está inabilitada no Grub do openSUSE, uma vez que seu /boot/grub2/grub.cfg fica numa partição BtrFS, — formato em que o Grub2 não consegue gravar (antes de o sistema ser carregado).

_________
Relato inicialmente publicado às 10:06 de 15 Mai. 2017, e desenvolvido até 19 Mai., no Mageia 6 sta2 KDE.
••• Adendo sobre o “Instalador Clássico” em 24 Mai. 2017.

— … ≠ • ≠ … —

Não-debians