quinta-feira, 7 de abril de 2016

Debian 8.4.0 KDE (+non-free) em Live USB

Debian 8.4 Jessie KDE (+ non-free) em teste de trabalho Live USB após 22 horas e 2 crashes

Este novo “teste de trabalho em Live USB” é continuação do teste anterior, com as ISOs Debian 8.2 e 8.3, — ainda havia pontos a solucionar, neste aprendizado, considerando que o Debian continua sendo uma das primeiras opções de sistema “alternativo” (ao lado do Kubuntu, como sistema “principal”).

O Debian 8.4.0 (de 3 Abr. 2016) não é uma nova versão, mas apenas um update do Debian 8 “Jessie”, — tal como o Debian 8.3.0 (de 23 Jan. 2016), ou o Debian 8.2.0 (de 5 Set. 2015), — para incluir correções de segurança e ajustes de problemas. Qualquer instalação anterior do Debian 8 “Jessie”, atualizada regularmente em resposta às notificações do sistema, já inclui essas correções e ajustes. Também não é necessário descartar as mídias anteriores (nem baixar a ISO outra vez), — se for instalar a partir delas, basta fazer a atualização, ao final, como aliás sempre se deve fazer.

O que há de “diferente”, nesse novo teste, resume-se em poucos pontos:

  1. A utilização de uma ISO Live Desktop + non-free
  2. Algum avanço no aprendizado
  3. Um pouco mais de abuso, para testar os limites do Debian e da memória

A sessão Live USB foi carregada às 22:07 de 5 Abr. 2016, e encerrada às 17:51 de 8 Abr. 2016, após 67h44min, — o computador não foi desligado de um dia para outro, — pela comodidade de manter as configurações realizadas e os pacotes instalados até a véspera, e também por certa dose de desafio.

Nas primeiras 62 horas, houve 3 mini-crashes, — negligíveis, à medida em que se adquire confiança, — e 1 crash ½ tenebroso, capaz de assustar um leigo (como no teste anterior).

Com o aprendizado ao longo desses “testes de trabalho em Live USB”, pequenos problemas deixam de ser impasses insuperáveis. — “Entre mortos e feridos, salvaram-se todos”. — E a vida continua, sem nenhum arranhão. Com toda produtividade.

Abusando mais


Boa parte da confiança crescente vem da prática introduzida nos últimos testes, de monitorar as condições do sistema, — em especial, o uso da memória e a temperatura da CPU. — Você troca a “impressão” de que a memória “deve” estar nos limites, ou de que a CPU “deve” estar pegando fogo, pela constatação de que nada disso acontece. E isso melhora muito a confiança em testar, mais e mais, os limites das possibilidades.

Dessa vez, foram instalados, pelo Apper:


No Debian 8.4, o Apper, — “Software Management”, — atende bem às necessidades, o que dispensa a necessidade de instalar o Synaptic.

O fato da ISO incluir pacotes non-free facilitou encontrar o instalador de fontes MS, uma vez que os repositórios já vêm configurados.

O KSnapshot foi bastante utilizado nas primeiras 13 horas (68 capturas de tela), mas acabou ficando chato levantar data e hora de cada imagem, — até então, exibidas pelo Dolphin em formato anglo-saxônico, — e o pyRenamer não foi muito útil para renomear os arquivos em massa, de acordo com a data e hora, já que os prints não contêm dados Exif. Daí, o motivo de instalar o Shutter, — cujo valor se evidenciou durante o “crash das janelas pretas”, — que não poderia documentar, a depender de uma janela de diálogo (“preta”) do KSnapshot.

Enfim, o Iceweasel (“quase” um Firefox) também acabou cansando, — não por defeitos, ou falta de qualidades, mas — porque todos os Bookmarks dos últimos meses estão no Chromium.

Verdade, que o crash mais assustador deste teste começou exatamente igual ao crash da experiência anterior, — camadas (layers) do Facebook começaram a aparecer pretas, — e daí o problema se propagou para todas as demais janelas, à medida em que cada uma delas precisava ser restaurada. No entanto, pode ser precipitado atribuir o fato ao Iceweasel / Firefox. Problemas de todo tipo, com Facebook já se verificaram, — mais vezes do que é possível lembrar, — também no Chromium e no Chrome, tanto no Windows quanto no próprio Debian (HD), no Kubuntu (HD), no Linux Mint (HD), e em outras distros testadas em Live USB / DVD.

Dessa vez, o Chromium não apresentou nenhuma dificuldade de sincronização.

Nivelamento horizontal de foto de celular no Gimp, com ajuda de Screen Ruler

KRuler e Screen Ruler foram instalados no final da tarde de 7 Abr. 2016, para facilitar a rotação de fotos de celular no Gimp (nivelamento horizontal / aprumo vertical).


Erros & crashes


A safra de problemas, erros ou crashes foi bem magra, — apenas 4 ocorrências, até as 12:07h do 4º dia de sessão Live USB ininterrupta (60 horas). Desses, apenas 1 pode ser considerado ½ “assustador” (para um leigo).

Pequeno crash do Ksnapshot, — ao procurar “psensor” no Apper, — mas continuou capturando as telas

(1º) Às 22:36 de 5 Abr. 2016, a menos de meia hora do início da sessão Live USB, o KSnapshot apresentou algum erro, — aparentemente sem consequências, uma vez que continuou capturando telas, inclusive duas com suas próprias mensagens de erro. Foi durante o uso do Apper para procurar e instalar Psensor. [Até parece que a palavra “Psensor” tem história. Duvida? Dê um CTRL-F no teste do Kubuntu Xenial beta2]. As mensagens permaneceram na tela por 3 minutos (pelo menos), até o Apper terminar a instalação, e ser fechado. Até então, estava aberto (minimizado) apenas o Dolphin.

“Crash das janelas pretas” em Live USB Debian 8.4 KDE

(2º) Às 15:44 de 6 Abr. 2016, — após uns 10 minutos de navegação intensa no Facebook, verificando notificações de todos os tipos, — as camadas começaram a aparecer “pretas”. Quase mais nada era possível fazer por ali, e depois de alguns minutos tentando, as abas do Facebook foram fechadas, por não haver mais utilidade. Mas, a partir daí, todas as janelas que estavam minimizadas, ao serem restauradas, também voltavam “pretas”, e só restou fechar, uma após outra (o “x” de fechar continuou visível e funcionando). Só para conferir, o Iceweasel, — última janela ainda aberta, — foi minimizado e restaurado. Voltou “preto”, só restava fechar também. E que tal reabrir algum programa, para continuar o trabalho? Impossível. O Menu abria “transparente”, sem fundo (só o contorno), e sem conteúdo algum. Aparentemente, só restava dar a sessão Live USB por encerrada, e desligar. Não valia a pena reiniciar, configurar tudo de novo, instalar softwares adicionais outra vez etc.

Na experiência anterior, foi cometida a burrice de desligar pelo botão de energia do computador, — afinal, se tudo parecia perdido, nada havia a perder (e os arquivos estavam salvos no HD). — Agora, porém, foi usado Ctrl-Alt-Del, para testar um caminho menos grosseiro. Surgiu uma janela de diálogo… “preta”, também! Impossível ver as opções. Mas, a tela foi escurecendo, — sinal intuitivo de contagem regressiva, — e não custava nada deixar desligar sozinho. Nem havia alternativa. Só que, não desligou.

Ocorreu apenas um prosaico Log Out, — e a sessão foi retomada, exatamente como antes, — com o papel de parede, os programas “favoritados” logo na abertura do Menu, a lista dos últimos programas e arquivos na seção “Recently used” do Menu, e tudo mais, sem faltar nada.

Diálogo de Log Out, chamado (mais tarde) no Debian 8.4 KDE por Ctrl-Alt-Del, para uma foto

Ao serem abertos, — mais tarde, — Dolphin, Gwenview, Iceweasel, LibreOffice, Gimp, Psensor, System Monitor (KSysguard) e KInfocenter reabriram nos mesmos tamanhos e formatos de antes, com todas as configurações feitas até então, sem faltar uma só.

O Iceweasel, — ao contrário do procedimento habitual do Firefox, — nem perguntou se devia reabrir as abas anteriores, já fez isso sozinho. Não ficou registrado se o LibreOffice pediu (provavelmente, não) para recuperar o documento, — que foi salvo por Ctrl-S antes de fechar.

São dois programas rebeldes, — Firefox e LibreOffice, — que não adianta deixar abertos, ao encerrar uma sessão KDE, porque não se conformam com o “fechamento inesperado”.

Fica a dúvida: — É possível dizer que o teste se realizou, tecnicamente falando, em uma única sessão Live USB? — Fica para os universitários decidirem.

Fato é que nada se perdeu, — nenhum programa instalado, nenhuma configuração, — tudo na memória RAM, é bom lembrar.

Felizmente, o Log Out / Log In não pediu usuário e senha, — provavelmente “user” e “live”, mas nunca se sabe.

(3º) Outro crash “geral”, — de outra natureza, — ocorreu durante um coffe-break (17:05 às 17:35), ou seja, justo em um momento de inatividade, sem demandas mais intensas e frequentes. Ao retornar, 5 mensagens comunicavam o encerramento dos 5 programas deixados abertos (minimizados): — Dolphin, LibreOffice e os 3 programas de monitoramento. De acordo com as mensagens, isso ocorreu às 17:28, já no final do repouso relativo. — Era fechar uma mensagem, e encontrar outra por baixo, 5 vezes.

(Esses humanos…) Depois disso, houve um “crash humano”, no dia 7 Abr. 2016, — ao fotografar a janela de diálogo de Log Out. — Por distração, o tempo limite acabou sendo atingido, e ocorreu o Log Out imprevisto, seguido de novo Log In automático.

Na primeira tentativa, o celular Nokia Lumia demorou a focalizar. A primeira foto (desfocada) foi feita às 16:38:56, — faltando 6 segundos para o Logout,  — e às 16:39:11 o Log In já estava concluído e documentado pelo Shutter, após alguns segundos do espanto inicial.

Permaneceram abertos, — ou reabriram automaticamente, — o Dolphin (na mesma subpasta, embora configurado para exibir a /home ao ser aberto), a calculadora KCalc (zerada), o Gimp (faltando a janela Caixa de ferramentas), KInfocenter, System Monitor (KSysguard, sem interrupção do gráfico), Psensor (com gráfico reiniciado). O Chromium e o LibreOffice precisaram ser abertos manualmente, depois.

Dessa vez, o LibreOffice precisou “recuperar” os documentos fechados abruptamente.

(4º) Um quarto “problema”, — se é que chega a tanto, — foi registrado na manhã do dia 8 Abr. 2016, após usar o Iceweasel para um trabalho específico, com o Chromium minimizado. Após fechar o Iceweasel, o Chromium restaurou com “tela branca”, por assim dizer. Você podia carregar ou recarregar qualquer página, — mesmo as mais simples, — sem nenhum problema. Mas só exibia “branco”.

Para solucionar, bastou fechar o Chromium, e reabrir. A princípio, demorou um pouco, mas acabou exibindo a tela de boas-vindas (Favoritos), e todas as outras, desde então.

Debian 8.4 Jessie KDE sem Swap, até as 11:10 do terceiro dia em sessão contínua Live USB

Swap


Os 2 crashes gerais talvez sejam explicáveis pelo fato de o Live Debian 8.4 KDE não utilizar automaticamente a partição swap já existente no HD, — ao contrário de outras distros testadas ultimamente, monitorando pelo KInfocenter e KSysguard. — Por que o Live Debian 8.4 KDE não usa a partição Swap, é algo ainda por entender.

Partição Swap atribuída e ativada na tarde do terceiro dia em sessão contínua Live USB

Rápida pesquisa, — no terceiro dia da sessão contínua em Live USB, — sugeriu tentar os seguintes comandos:

user@debian:~$ sudo swapon /dev/sdb6
user@debian:~$ sudo swapon -a

E foi o quanto bastou, para o Debian 8.4 Jessie KDE imediatamente passar a usar a partição Swap em /dev/sdb6.

Configurações


Em uma sessão Live (USB, DVD, CD), raramente vale a pena fazer muitas configurações, exceto na medida em que se pretenda trabalhar nela durante algum tempo, — 1 hora, 6 horas, 1 dia, vários dias, — e neste caso o valor de tais ajustes aumenta com a duração da sessão, e com o trabalho que nela se realiza.

Dolphin “original”, com “Locais” no painel (esquerda)

Dolphin, por exemplo, tem sido uma ferramenta de uso intensivo, — seja para levantamento cronológico e localização posterior das imagens, seja para vários outros trabalhos cotidianos, em paralelo, — desde a montagem inicial de uma partição onde estão papéis de parede, até a busca de anotações mais antigas. Por isso, costuma receber uma configuração básica logo no início da sessão. Com o tempo, outras configurações vão fazendo falta, e são acrescentadas ao longo das horas e dos dias.

Configurações iniciais do Dolphin, ao abrir (montar) a pasta do HD com Papéis de parede

As configurações iniciais do Dolphin, — largura total, Informações (painel direito), exibição em Lista (detalhada) + coluna Tipo, — foram feitas logo no início da sessão, na noite do dia 5.

Dolphin personalizado para maior produtividade; e configuração dos formatos de data e hora

No início da tarde do dia 6, começou a fazer falta personalizar também da Barra de ferramentas (no alto); incluir navegação por Pastas e ocultar “Locais” sem uso (painel esquerdo), — além de um ajuste nos formatos globais de data e hora nas Configurações do sistema (System settings → Locale → Country / Region & Language → Date & Time), para tornar legível a cronologia.

Adição do widget “Show desktop” ao Painel do Debian 8.4 KDE

Outra coisa que acaba por fazer falta, são algumas facilidades no Painel (barra inferior), que no Debian 8.4 KDE vem com apenas 1 ícone de acesso ao Dolphin.

Nas primeiras horas do dia 7 Abr. 2016, já estava chato trabalhar sem um botão “Show desktop”, para minimizar várias janelas em um clique só.

Acréscimo de atalhos para os aplicativos mais usados, e outras configurações do Painel

Outra coisa que logo começa a cansar, é a procura de programas utilizados com frequência (fechados pelo crash, e também a partir da segunda noite). A primeira solução é “favoritar” meia-dúzia de programas mais usados, de modo a encontrá-los já na área inicial do Menu KDE, — porém ali cabem no máximo 8 aplicativos, — e acaba sendo mais prático encontrá-los no Painel, bem à vista.

_______
• A sessão Live USB do Debian 8.4 KDE + non-free foi carregada às 22:07 de 5 Abr. 2016.
• Este relato foi publicado, inicialmente, às 0:02 de 7 Abr. 2016, — com 1 imagem e 28 parágrafos, a partir do levantamento de 134 capturas de tela, anotado em LibreOffice.
• Acréscimos sobre Swap às 16:26 de 7 Abr. 2016.
• Acréscimos sobre o “crash das janelas pretas” e Log Out às 17:57 de 7 Abr. 2016.
• Novos acréscimos até 13:05 de 8 Abr. 2016.
• A sessão Live USB do Debian 8.4 KDE + non-free foi encerrada às 17:51 de 8 Abr. 2016, após 67h44min.

— … ≠ • ≠ … —

Debian


9 comentários:

  1. Instalei o debian jessie ha algumas semanas e ta realmente insuportavel essas janelas pretas causadas pelo firefox, queria saber se tem como consertar isso porque eu só uso o firefox isso ja faz varios anos e não gosto de outros navegadores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não entendi a origem do problema. Mas isso começou a acontecer comigo também no Kubuntu e no Windows, por isso acabei voltando para o Chromium.

      Excluir
    2. Eu iria perguntar se não era algum bug do kde, mas como você disse que aconteceu no windows também então deve ser algum problema próprio do firefox. Sobre o outro comentário, aqui eu não tive problemas com o konqueror, apesar de eu praticamente nunca usar ele, o iceweasel eu removi completamente quando instalei o debian, nunca gostei dessa versão meia boca, e coloquei o firefox, mas é estranho que é só nessa versão do debian que acontece, eu tava usando o debian 6 antes de ir pro 8 e la o firefox não dava nenhum problema com as janelas, só dava crash e ele fechava sozinho sem motivo. Em ambos os debian eu coloquei kde, então se não for problema do firefox deve ser algum bug do kde quanto a isso. Ja pedi ajuda em alguns forums de linux e infelizmente ninguém soube como resolver esse problema.

      Excluir
    3. Acho que a raiz do problema deve estar no próprio Facebook, a meu ver sobrecarregado de layers (javascript?), que saltam e pulam por toda parte, a cada movimento do mouse. Suspeito que eles também embutem "retardadores" (delays), com que o FB "poupa" velocidade de suas máquinas (ou disfarça a falta de um investimento proporcional ao crescimento dos usuários e postagens). Também já vi comentários sobre uma suposta "briguinha" entre FB e Google, que influiria na diferença de compatibilidades (Firefox X Chrome). E no entanto, tenho tido menos problemas usando Chromium, do que Firefox (e preciso estar presente no FB). Enfim, há uma falta de atualização / suporte envolvendo Flash, que é outra coisa difícil de compreender direito. Procuro instalar plugins no Kubuntu, no Mint, no Chromium, no Firefox, na expectativa de me manter habilitado a ver os vídeos postados com diferentes formatos, mas a verdade é que isso tudo se transformou numa "selva", nem um pouco "transparente" ou inteligível para 99% dos usuários. Os problemas se manifestam de maneiras diferentes, conforme passo do Kubuntu para o Mint ou para o Windows, ou do Chromium para o Firefox, e vice-versa. É como se cada usuário tivesse de se tornar um expert com pós-graduação em "tecnologia", para alcançar o correto funcionamento das coisas.

      Excluir
    4. Mas o Debian "puro" me assustou um pouco. Usei 2 ou 3 vezes como "sistema alternativo" (para o caso de falha do "sistema principal"), mas acabou que ele é que me dava problemas. Poucos, porém chatos de resolver. Principalmente, no caso de coisas "extras" (como Google Earth, Chrome), que desapareciam depois de alguma atualização do Debian, e precisavam ser reinstaladas, nem sempre com facilidade. O Debian stable é muito "conservador", só inclui pacotes muito bem testados, o que significa, um bom tanto "desatualizados" (em relação às "novidades" que Google, FB etc. vivem introduzindo em seus sites, todos os dias, em ritmo alucinado). No caso de Flash, Java, plugins etc., isso acaba exigindo estudo constante, para entender o que se passa, e descobrir a solução.

      Excluir
  2. O debian sempre foi mais atrasado quanto as atualizações, alguns programas não são a ultima versão, o kernel nunca é a ultima versão e muito menos o kde que tanto gosto, mas da pra instalar programas novos nele e atualizar as coisas. Acho que qualquer distro que instalar pura como voce disse, vai vir sem praticamente nada, mesmo o kde se você não instalar ele full não vem programa nenhum praticamente, mas acho queproblemas com o debian mesmo eu nunca tive e eu uso ha anos, a unica distro que pra mim usa sempre as coisas mais atuais é o ubuntu, do qual eu não gosto muito mas tenho que usar devido a compatibilidade com coisas que no debian não tem. Não entendi ao que se referiu quando mencionou o facebook, mas desde o final do ano passado eu comecei a ter problemas com ele, na hora de postar comentarios e conversar no chat, as palavras que digito somem sozinhas e toda vez que aperto uma tecla a letra é apagada na mesma hora, em comentarios mesma coisa, torna impossivel digitar la, ou as vezes da pra digitar mas não da pra enviar, voce digita algo em chat ou comentario mas na hora que aperta enter não acontece nada, oque você escreve não vai, e isso independente da versão do firefox, aí pra poder conversar la tenho que usar o opera, chato ter que usar outro navegador por causa de um simples site, a unica coisa que me incomodava no firefox era não poder usar o facebook, agora são as ja elas pretas, que aqui pelo menos nada tem a ver com o facebook, pois passei quase um mes sem mexer na rede social e mesmo assim as telas pretas continuavam a acontecer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Digo Debian "puro", para diferenciar do Kubuntu e do Mint, que também não deixam de ser Debian, apenas por serem "personalizados" de modo mais ou menos radical. Não me refiro ao Debian Standard, que não tem nem interface / ambiente gráfico. Esse, talvez seja bom para fazer experiências com o Tasksel: instalar e desinstalar KDE, Gnome, Xfce, Lxde, MATE etc. Espero fazer isso um dia. Um modo de ter um Debian mais "atual", é habilitar repositórios Unstable. É por conta e risco. Outro modo, talvez seja o LMDE - Linux Mint Debian Edition (menos riscos). E se precisa usar Ubuntu mas não gosta, pode escolher outro ambiente gráfico (Kubuntu, Lubuntu, Xubuntu, Studio). Prefiro o Kubuntu, por ser mais configurável. Problemas do FB ocorrem em todos os sistemas, só que variam de um sistema para outro, e de um navegador para outro. Já usei mais o FB, agora procuro evitar. Esquenta a CPU, causa tendinite, e gasta um tempo que muitas vezes não compensa. Mas acredito que exista solução para o problema das janelas pretas. Deve ser falta de algum plugin, java, flash, ou coisa parecida. O ideal é lançar o problema em vários foruns, que logo aparece alguém com a solução.

      Excluir
    2. Ja pensei varias vezes em colocar os repositorios dos sid sempre que começavam uma nova mas não gosto de ter dor de cabeça por causa dessas coisas quando dão problema. O ubuntu eu não gosto por ser ubuntu mesmo, apesar de que pelo que li nessa versão nova que saiu esse mes eles desativaram os spywares de la, ja tentei outras interfaces graficas mas não gostei também. Um s.o que eu sempre tive vontade de usar é solaris, mas meu pc é muito fraco e não funciona aqui. Facebook realmente ta ruim, não tem mais nada que preste la, passei quase esse mes todo fora e quando voltei deu é vontade de abandonar de vez XD mas meus amigos ficam la então enquanto não fizerem outra rede social que seja melhor sou obrigada a dar uma olhada la de vez enquando.

      Excluir
  3. Ontem instalei o Debian Testing (futuro Stretch), configurei o essencial e trabalhei o dia inteiro, sem nenhum problema com o Facebook ou vídeos, mas é verdade que utilizei apenas o Chromium, que instalei e tornei "navegador padrão". A instalação foi pela ISO "CD" Xfce, porém à noite usei o Tasksel para instalar também Gnome, MATE e LXDE, e avancei bastante na configuração também desses 3 ambientes adicionais. Claro que tudo isso ainda é pouco, para uso mais intenso, por isso hoje optei pelo Linux Mint, que já tem muito mais programas instalados e configurados para o trabalho diário.

    ResponderExcluir